Treino de Poesias – Recebidas até 31/10/2021

No encontro do dia 5 de setembro a Ana Claudia sugeriu um treino de poesia e já estamos recebendo os primeiros poemas enviados pela Comunidade.

Compartilhe o seu também enviando e-mail para o faleconosco@humanavida.com.br

Amor não é dar para
Mas viver com
Conviver
Compartilhar
Com outros
Com a multidão que nos habita

Paliar
Travessia alquímica
Abraça o mundo
Com o manto da compaixão
Amor de raiz
Profundo,
Incansável,
Florescendo invernos

Dialogar silêncios
Transmutar-se
Naquilo que se é
Sem pressa nem medo
Com urgência e presença

Alessandra Goes Alves

 

fogueiras

 

eu era assim fiquei assada

me assei toda

e não adiantou nada tive que continuar

depois mudou

espiei lá fora e achei que podia voltar a ser assim, sim senhora

tentei, ensaiei, executei

durou pouco, a ilusão tem hora

agora acostumei com esse vaivém aprendi a pular fogueiras

 

Virginia Costa

 

Cunhar paz exige alma para poder ouvir a melodia
da música guia que me leva segura, nos caminhos incertos, pelas
rondas da vida.
Márcia Dianni

Amor é melodia que nos alcança

 

O Amor

Está nos detalhes

No olhar

Que traduz

Nos beijos

Que aquecem

A alma

No eu

Te amo❤️

 

O amor

também

Está na

Música que toca

Amor é melodia que nos alcança

Fernanda de Assis Torres

 

 

O Amor

 

O Amor

Está nos detalhes

No olhar

Que traduz

Nos beijos

Que aquecem

A alma

No eu

Te amo❤️

 

O amor

Amolece

A bravura

E aquece a

Alma

 

O amor é jardim

De beleza

Sentimentos

Aromas

O amor requer

Cuidado

Cultivo

Respeito

Entrega

Carinho

 

Diariamente

Amar é

Cuidar

E permitir

Que

Nos olhem

Além do que somos

Com o tempo

Espaçado

E olhar

Apaixonado

Que nos torna

Melhor

Fernanda de Assis Torres

 

 

A Saudade se transformou em Música

 

A saudade está

no Tempo

O Tempo está

na Canção

 

Que faz

Contratempo

Nas batidas

do meu

Coração

 

A saudade não

volta o tempo

O destempo

não faz Oração

 

A saudade

É linha do tempo

Que mapeia

A inspiração

 

Do Amor

Mesmo atempo

Que semeia

A superação

 

Da saudade

que é

Presente

No tempo

Que canta

a Dor

 

A saudade não

é ausente

Nesse tempo

Que a borboleta

Pousa de flor

em flor

 

É a eternidade

Do tempo

 

Marcante

 

Nos compassos

do compositor

Que transformou

A saudade

Em Música

para se

Recompor

 

4-Ser canção

Se queres

Habitar um coração

Seja canção

 

Se queres

Habitar um coração

Plante um jardim

 

Se queres habitar

Um coração

Sinta o perfume

Das flores

 

Flores são

Música

Que tocam

Nossa essência

 

Flores que

são Canção

Levamos no

Coração

Fernanda de Assis Torres

 

Instantes

 

Enquanto a chuva

Cai lá fora

 

Uma criança

Desperta

 

Enquanto a chuva

Cai lá fora

Uma melodia

Toca….

 

A noite chega

E seus pingos

Aumentam

 

Enquanto a chuva

Cai lá fora

A criança

Despertada

há Pouco

Contempla

 

E a melodia

Vai ficando

Cada vez mais

Intensa

 

Enquanto a chuva

Cai lá fora

O amor aflora

E as incertezas

Vão embora

 

E o encontro

Acontece

 

Os pingos

Tecem

Uma nova

Canção

E os movimentos

Aquecem o

Coração

 

E a Chuva

Melódica

Traz

A Sensação

de Emoção

Fernanda de Assis Torres

 

 

Interlúdio do entardecer

 

Para a noite chegar

É preciso entardecer

 

Devagar

O dia adormece

Para que a Vida

Faça pausas

 

O silêncio vai ganhando

Espaço no ritmo das estrelas

Que surgem de ponta a ponta

 

O sol se põe devagarinho

Sem fazer alarde

Permite o

(En)tardecer

E a noite vai assumindo

Seu espaço

Na escuridão profunda

E cheia de sentidos

 

O entardecer é o

Interlúdio do dia

Que em tempo

Completa o seu ciclo

com maestria

 

É hora de agradecer

Fernanda de Assis Torres

 

Sinfonia dos ventos

 

Somente a quietude interior

nos permite ouvir a voz

Que vem dela:

A Natureza

 

Nela, tudo se acomoda

Tudo ocupa o seu devido

Lugar

Respeitando

Ciclos

Tempos

Crescimentos

 

A natureza é sábia

Persistente

Firme

 

Sua solidez não ocupa

Camadas superficiais

E aeradas

 

E é assim

Que ela nos ensina

 

O sábio

Se permite

Ser levado pelo

Vento

 

E o vento

No seu devido lugar

Sopra com convicção

Uma direção que é

Única

 

Sem tolice

O vento faz o convite

Só se permite ser levado

Quem é livre

Ou já abriu portas

Para a liberdade

 

A natureza é sábia

O vento é porta voz

Dessa sabedoria

 

O vento movimenta

Cada micro folha

Cada galho

Gaivota ou vela

 

Para que

Todos, sem exceção

Vejam a Luz

 

A sabedoria está nas pequenas

Coisas

Nas mais simples

E por isso, as mais belas

 

A escolha está em nós

Em permitir se aquietar

Para observar as belezas

Que nos circundam

 

Pra hoje

Apenas a sinfonia

Dos ventos…..

Fernanda de Assis Torres

 

 

 

Florzinha do meu Jardim

Nasceu a mais bela florzinha.

Desenhado em meu caderno “florzinha Daniela Pires”

Sonhar agora sem fim.

De repente, somos criança novamente.

E tudo passa a ser possível.

O impossível não existe.

Que bela paisagem: Viagens; estradas; mares; brincadeiras; teatros; festas; escolas; faculdade; trabalhos …

A vida tem todas essas cores.

Sigo a vida pintando a nossa História.

Marussia Pires de Oliveira

 

São dez horas
Vem chegando a hora…
a turma se apruma
olhares se cruzam
suaves como pluma.
São dez horas…
um tempo que vai alimentar
do finito ao infinito
e a tudo se conectar
Uma voz tranquila e suave
de sonhos e lembranças
pousa sua cosmonave
com café e esperança.
Sorrisos aparecem
em dezenas de bom dia
o encontro enaltece
mix de amor e alegria.
Uma mistura de tons e sons
encontro e grandes emoções
daqui, dali, muitos frissons
vibram em múltiplas estações.
Entre versos e prosas
os planetas vão se alinhando
com histórias valorosas
de vidas se reencontrando.
Uma palavra, uma lágrima,
um choro, um coração
braços que se tocam
numa única canção.
São auras que se fundem
num enorme facho de luz
que vibram e sintonizam
como um Espírito que reluz
O que parece muito foi pouco
olhos brilham, corações cantam
todos querem mais um pouco
os momentos de paz que encantam
Somos jovens, somos tantos
nessa Casa do Cuidar,
corações no meio do peito
para aprender e ensinar.
Enquanto eu respirar,
a vida segue em Linhas Pares,
reconhecendo que A morte é
um dia que vale a pena viver,
com Histórias lindas de morrer,
Pra vida toda valer a pena viver.

Inês Regina Pompermayer

 

Por isso estou aqui

[Inspirado na minha participação por algum tempo em um grupo de Neuróticos Anônimos(NA)]

 

Há algumas 24 horas aqui cheguei

Consumido por medos e culpas fantasmas

Torturado pelos dons não atendidos

Assolado por desejos impossíveis

Nostálgico de épicos tempos idos

De tantos prazeres experimentados

E outros tantos fantasiados

Frustrado pela jornada estagnada

Arqueado sob uma cruz impiedosa

E cego de qualquer encruzilhada

 

Com um gesto quase infantil

Tímido, inseguro, taquicárdico

Algumas palavras trôpegas, soturnas

Hesitantemente me apresentei

Em busca de alívio logo silenciei

Ao meu vazio de porvir retornei

E à ânsia de ouvir me entreguei

 

Ao longo de tantas estórias

De outras cruzes declaradas

Nas faces as marcas mostradas

Das tristezas acumuladas

Em todos aqueles espelhos

Pude enxergar os tantos que sou

Pude exibir alguém que eles também são

Todos nos reconhecendo nos outros

Em todas as mazelas que carregamos

Em todas as carências que nos apequenam

Em todas as vontades que nos negamos

Em todas as lágrimas que escondemos

Em todas as feridas confessadas

Despojados de qualquer veleidade

Retirantes em tempo de trégua

Em tempo de deixar de lado

O cultivo da menos-valia

Ou do ilusório poder da arrogância

De nos permitirmos clamar por socorro

Atropelando defesas e resistências

E decididamente confiar

Na manifestação impulsiva, incontrolável

Das dolorosas experiências pessoais

 

Aqui nos encontramos

Nossas vidas quase desesperadas

Nossas vidas quase desesperançadas

Nossas díspares identidades

Nossas origens e circunstâncias

Falando uma mesma linguagem

Sobre guerras externas, internas

Sobre sonhos natimortos

Sobre autoenganos, perdas, fracassos

Sobre sofrimento…

Uma linguagem de aprendizado

Uma linguagem de ensinamento

Reveladas pelas humanidades

Cada um a sua e todos a mesma

Exibidas sem disfarces ou teorias

Sem romances ou fantasias

Uma bíblia nascida de estranhos

Nos implícitos apelos de aceitação

Nos profundos anelos de comunhão

 

Aqui nos reunimos a intervalos

Arrastando nossa bagagem de vida

Entupida de derrotas e conflitos

Que nos fazem sentir enfermos

Aqui os acolhemos sem julgamentos

Sem preconceitos e interferências

Aqui nos ouvimos repetidamente

Órfãos de qualquer promessa

Desamparados de qualquer garantia

De terapia, religião ou magia

Aqui nos olhamos com despudor

Nutridos apenas pela chama teimosa

Da natureza autorreguladora de cura

E do impulso transpessoal de evolver

Ecoando e se renovando

Como um mantra eternamente lembrando

O tanto ainda por enxergar

 

Há algumas 24 horas aqui cheguei

Para mais um tempo de escola

Para novos esforços de entendimento

Para novos tropeços, recuos, avanços

Semeando o que em mim trago

Colhendo o que de tantos me serve

Corações, pensamentos e almas

De guerreiros em longas jornadas

Compartilhando as duras refregas

Nesta congregação de verdades

De apelos subliminares de apoio

Na agonia de transitar pelas sombras

Com a coragem de exibir-lhes os rostos

Arrostando o ceticismo e a timidez

De exposição consciente dos imos

Em momentos de intrépida nudez

Ao longo da penosa travessia cotidiana

Das lutas infindas de perdas e ganhos

Da dissipação das sedutoras miragens

Da redenção dos doentios personagens

Na direção de um destino ideal

O encontro da lucidez e da paz primordial

 

Por isso estou aqui

Para conhecer novos caminhos

Conhecer novas estórias e protagonistas

Que estejam cansados de lutar sozinhos

Doídos demais dos desatinos egoístas

Receber novas lições sobre humanidade

Ouvindo relatos de profunda veracidade

Buscando direção e apaziguamento

Para minha estória e meu tormento

Ao tempo em que dou testemunho

Daqueles por que já transitei

Dos dramas que ainda não superei

Dos momentos insanos em que me desesperei

 

Por isso estou aqui

Para ser mais um desta tribo

Para quem a expressão das agruras

O relato destemido das amarguras

É a própria fé nas ansiadas curas

 

Thiers Garcia de Mattos (14.03.2009)

 

É aqui que eu quero estar

 

Cumpro esta jornada em que me desajeito

Cada dia é um suspeitar de algo imperfeito

Ou de perceber a ilusão do perfeito

Certo, errado, ou qualquer outro conceito

As dúvidas primordiais entre causa e efeito

Como superar os limites do enxergar estreito

Inclusive do propósito para que fui um eleito

E do norte a seguir nesse turbilhão suspeito

 

Sigo o caminho que mais me seduz

O recôndito de mim que conduz

A sons e palavras onde encontro luz

A dimensão humana que me traduz

Nesse lugar, nesse momento

Que me isolam do sofrimento

Desligam-me do pensamento

Divorciam-me do julgamento

Que me afastam do mundo

– De tudo que me é raso –

– De tudo que me é atraso –

Me fazem abraçar o fecundo

– De tudo que me é intenso

– De tudo que me é imenso

Chegar ao espaço mais profundo

– De minha Substância original

– A fonte da Criação Universal

 

À margem das lides urbanas

De suas tribulações cotidianas

[Que me prendem à dor e à espera

De não sei o quê que (des)espera]

Ao afago de excitantes tempos passados

Memórias indeléveis dos anos dourados

Retratos etéreos nas células imantados

De glamurosos elos românticos vivenciados

E pelas saudades e anelos perenizados

(As marcas enriquecedoras da juventude

Alentando as horas íntimas de solitude)

Hospedado neste território seguro

(Intervalo do caminhar no escuro)

Liberto de dúvida e de muro

Vazio da angústia do fadado futuro

Entrego-me ao usufruir desta bonança

Desta dádiva que canta e que dança

Desta promessa da bem-aventurança

 

E essa atmosfera onírica que me seqüestra

Me faz protagonista nesta orquestra

Transfigurado pelos sons que me elevam

De canções que de volta me levam

Aos (en)cantos que canto e me enlevam

Às emoções que choro e desvelam

Os mistérios do ser ecoando a magia

De alguns inefáveis lapsos de epifania

Intervalos ontológicos de soberania

Sobre as humanas quimeras de hegemonia

Brotados de voz, verso e melodia

Um sentir de significado e de fantasia

Um expressar de humanidade em liturgia

De finitude e eternidade em sintonia

 

Aqui sou matéria e transcendência

Sem separação ou ascendência

Neste templo vazio de dor e declínio

Neste sacrário de júbilo e fascínio

Neste santuário onde a luz faz domínio

Onde a beleza exerce sua maestria

De quebrar grilhões e exaltar a alforria

De inundar espaços de delicadeza e harmonia

Em que me perco como que encantado

Em que me encontro como que ressuscitado

Íntimo da Essência com que fui modelado

Dançando neste “Kairós” inebriado

O sonho de um encontro sempre aguardado

Que palavras e sons o fazem realizado

 

Enquanto assim possuído pelo grandioso

Hospedeiro deste estado primordial numinoso

Imune a todas as dores, limites e véus

Alço o olhar e braços aos céus

E ofereço ao cosmos meu proclamar

A síntese de minha (a)ventura sem par:

 

É aqui que eu quero estar

 

Thiers Garcia de Mattos (02.03.2021)

Conecte-me…
Ao Criador
Ao amor
Ao desbravador
Conecte-me…
A natureza
A beleza
A gentileza
Conecte-me…
Ao caminho
Ao passarinho
Ao carinho
Conecte-me…
A ação
A integração
A gratidão
Conecte-me…
A vida
Ao propósito
Ao Espírito
A partida
Conecte-me…
Eliza Ofuji

 

Primavera por fora e por dentro

Verde, mato, terra molhada, terra queimada, flores, cigarras, canto das angolas, pés de mangas carregados, vida, finitude, esperança, movimento.

Som da máquina de lavar roupa, orquídeas brancas, rosas, vinho, amarelas, força, vigor, cachorros, gatos, cuidados.

Abraço, lamento, a vida não acaba aqui, Deus, bíblia, busca, entendimento, questionamentos, nem tudo é sobre você, esteja viva em vida.

Diva Silva

 

Dó, ré, mi, fa (z, zenda, brica, moso, z de conta, buloso, la, ça.)

Pássaros diversos, coloridos, encantados, ninhos, estruturas, beleza, olhares, pensamentos, conversa, aconchego, quietude.

Amora, jabuticaba, acerola, uvas, jaca, coco, bananas, muitas bananas.

Galinha, peruzinhos, perua, pintinhos, cocó superação, abrigo, resgate, acolhida.

Chérie, riso, companheirismo, olhos que brilham, olhos que expressam, olhos que falam.

Diva Silva

 

Tua Finitude

Enquanto ainda acordada
Antes de adormeceres
Em meio a fios e sons
Entre trocas de mãos
E apertos no peito

Vi tua finitude no olhar
Tua luz conduzía-nos
A dizermos coisas lindas
A dor não mais permanecia na gente
O amor envolvía-nos

Dissemos em olhares
Que amamos viver
Que amamos nossa família
Que construimos juntas
Nossas maiores riquezas

Dissemos em palavras
Que estaríamos perto
Dos nossos filhos
Que tudo passaria
O amor ficaria

Dissemos em oração
Nosso anjo e Senhor
Guarde-nos com suas bênçãos
Agradecemos em louvor
Nosso mestre protetor

Assim dissemos em amor
E nos despedimos uma da outra
O silêncio se fez prece
A presença permanece
Não teve choro nem dor

Esse momento de encantamento
De só agradecimento
Levarei comigo
O que ficou desse canção
Eternamente estará no coração.

Anneliese Lins

 

Eu vi minha vida em um click

Eu vi minha vida em um click,
Em que momento?
No momento que me abri para viver
Tudo que estava reservado para mim.

Sim, enxerguei um caminho de possibilidades
A minha frente.
Percebi que tinha vida dentro e
Fora de mim.

Consegui ver vida nas plantas,
Nas árvores,
No céu
No mar,
Eu só precisava caminhar.

E, assim, entendi que enfrentando medos,
Conceitos e preconceitos,
Fico livre para caminhar.

Sim, eu vi minha vida em um click!

Kassilma Lima

Tempo

Qual o tempo
Que o tempo tem?
Ele tem a exata precisão
Da tua importância dada
Pois se há tempos
Que desejamos eternos
Outros, que logo se evaporem
E tantos que não existissem
Porém, o tempo mais marcante
Que nunca se esquece
É o tempo que não dá mais tempo.

Graça Coelho

Em Tempo – De vida

Na complexidade da vida
Na intensidade do tempo
Na incerteza aguerrida
Há que se louvar o momento

Na simplicidade embutida
Na falácia indulgente
No gentil acolher
Há um tempo presente

Nas Dolores da alma
Nos amores gentis
Na presença que cura
Há esperanças sutis

No olhar contemplado
No ouvir de verdade
No sentir o perfume
Há um que de verdade

No reencontro de almas
No domingo que acolhe
No testemunho que salva
Há o Ravel da equidade

No bolero bailado
No cheirar de uma flor
Na abelha que voa
Há presença e amor

Na complexidade da vida
Na intensidade do tempo
Na incerteza aguerrida
Há que se louvar o momento

No nascer e na morte
No viver do momento
No caminho de um só
Há o mundo em unguento

No movimento das ondas
No vai e vem da saudade
No querer de um amor
Há o viver de verdade

Na clareza do sol
No anoitecer que enLUA
No ciclo que finda
Há vida que atua

No choro do início
Na faltura do fim
Em chegada e partida
Há o tempo em mim

Na unidade do ser
Na irmandade do grupo
Na junção do querer
Há presente e futuro

Na insistência do amor
No traçado da vida
Só importa com quem
Se fará a partida

Com quem ama e amou
Com quem cuida em cuidado
Com quem em vida plantou
E colheu o resguardo

Karenn Ramisia 
Luz da vida

A vida podemos dizer que é luz.
A luz é a vida em amor.
O amor, a gratidão e o perdão, são energias emocionais.
A saúde, o bem estar e a qualidade de vida, são energias vitais.
Façamos uma reflexão.
Transformar o final da vida,
De um paciente em início.
É dizer que o impossível está ao alcance.
Um sorriso.
Um beijo.
Um gesto de carinho.
São movimentos se uma vida que está no fim.
Uma médica que desbravou tudo isso.
Dra Ana Cláudia revolucionou métodos.
E trouxe de volta a luz da vida…
Gratidão eterna!

Ancicleide Barreto

 

Nós e Deus

Quem é Deus?
Quem somos nós?
Deus é a energia suprema da vida…
Nós somos filhos de Deus…
Podemos dizer que somos energia suprema? Não…
Somos uma soma dessa energia de Deus…
Se Deus é o Pai, somos os filhos…
O que Ele espera de nós?
O melhor que podemos fazer pelos nossos irmãos…
Irmãos doentes.
Irmãos que curam.
Irmãos insanos.
Irmãos que oram.
Irmãos egoístas.
Irmãos que compartilham.
Irmãos infelizes.
Irmãos que a felicidade carregam.
Irmãos em fase terminal.
Irmãos que transformam essa fase em início.
Sejamos irmãos de luz.

Ancicleide Barreto

 

Amor sem medida

O amor acontece da forma mais sutil.
Acontece por conta da necessidade de ser.
Alguns acreditam que sentir amor é alegria.
Sentir amor é felicidade.
Sentir amor é cuidado.
Sentir amor é ser presente pro outro.
Sentir amor é doar ao outro o que temos de melhor.
Sentir amor é proteção.
Sentir amor é sentir a plenitude se viver…
Então, sentir amor é ter gratidão a sua vida e a só outro…

Ancicleide Barreto

 

E os dias que a gente perde? Que nada que você faça dá o resultado desejado?

Você falhou, não foi o suficiente, ou o seu resultado desejado não era o caminho? E aí?

Diante de tantas perdas, duras, dilacerantes, buscamos o quê? Redenção pessoal? Entender que existe uma “consciência maior” que determina todas as coisas? Enxergar o ciclo vida-morte-vida e que não podemos fugir dele? Enquanto espécie soberba, o quanto ignoramos nossa finitude? Não poderíamos fazer da nossa existência uma obra de amor e virtude se lembrássemos todos os dias da nossa mortalidade e que o que fica depois que desaparecemos é a forma como participamos ou tocamos a vida de quem fica?

São muito pontos de interrogação… São muitos nós na garganta… é a reflexão de quantas horas do seu dia vc perde com bobagens ao invés de estar amando alguém, apreciando um sorriso, alguma maravilha que natureza expõe sem nem se preocupar se alguém está olhando ou como está o engajamento dela, ou quantos likes aquilo vai proporcionar. Todos temos responsabilidades a cumprir, comida pra botar no prato, mas quando o último suspiro é dado do que isso tudo te valeu?

 Os clichês “a vida é um sopro” “carpe diem” parecem bobagens, tatuagens mal feitas, mas como diria Leminski “viver é super difícil o mais fundo está sempre na superfície”

E aí seguimos, chocados ao ver Narcisios expostos em rede nacional, preocupados com a flutuação do mercado de ações, enquanto mais um dia se foi… E vc não ligou pro seu amigo pra dar feliz aniversário… Fica pro ano que vem… Será?

Peraí, que chegou minha vez na fila do banco, deixa eu ir ali pagar um boleto…

Simony Maiolini 

 

E quando eu te falo uma verdade quase parida de 7 anos. Sua resposta soa quase monossílabica “vc está coberta de razão” e descobre o véu de Maya sob os meus olhos, a ilusão se desfaz.

E eu estou ali naquele lugar ingrato em que me coloquei, sozinha, sem direito de chorar, (pq quando alguém pergunta porque estou chorando, não tenho como explicar), coberta com minha razão que não me protege do frio da falta, da solidão.

Razão foi tudo que me faltou nesse tempo todo, sobrou paixão, amor, devoção… a razão vc me devolveu agora…

Sigo com meu cobertor de razão puído, que não cobre a minha vulnerabilidade, pra não dizer fraqueza.  Mas agradecida pela transformação de amor proporcionada, mesmo que ilusória… e pela razão devolvida com tão poucas palavras

Simony Maiolini 

 

Vc e essa sua mania de me tirar o ar… seja no gozo, seja no choro, to sempre sem fôlego… é sempre um mergulho profundo e intenso seja na alegria e plenitude, seja na tristeza ou nas minhas inseguranças. Nada é morno ou mais ou menos, é tudo muito… muito amor, muito fogo, muita paixão e diretamente proporcional é a falta, é a incerteza e com elas a tristeza. Essa volatilidade que nunca me pertenceu me desnorteia. Procuro um equilíbrio dinâmico no meio do caos, e ele é muito efêmero, mas uma vez eu caio.  E o machucado em cima da cicatriz recente dói mais. Eu to me acostumando com a dor, e isso não é bom.

Eu sinto muito por mim, sinto muito por vc… sinto por nós… Mas sempre sinto demais, isso não é novidade. Mais difícil que sentir é compreender que o melhor é estar longe. Como faço meu corpo entender isso, se a cabeça vive em vc?

Eu erro todos os dias, não por te amar tanto, mas por querer que esse amor seja real e palpável.

Eu to com dor física de saudade antecipada de vc.

Tento me consolar em tudo de bom q já vivi por sua causa, faço quase uma oração pela sua felicidade…e aperto mais esse meu nó na garganta q mais uma vez me sufoca… vou ter que aprender a respirar de novo…

Simony Maiolini 

 

Sobre morar em um abraço…

Na minha cabeça (e no meu corpo) é só lembrar do seu abraço para a sensação instantânea de bem-estar aparecer…

Seus braços me envolvendo parece um movimento simples, mas a complexidade de sensações que desencadeia é tão maravilhosa… A ansiedade vai embora, só quero ficar ali, no presente, envolvida nesse abraço, seu calor, seu cheiro, me deixam embriagada como nem a melhor gin e tônica do mundo consegue. O sorriso me escapa sem cerimônia, é inevitável… a segurança chega, meu corpo relaxa, se encontra, se entrega… uma das explicações que consigo encontrar, não sei se a única, é que ali no meio dos seus braços, aconchegada, fico mais pertinho do seu coração (será que tem? Será que não? O que é aquele som perfeito que eu ouço? Que me relaxa e traz alegria.)

Esse abraço é com certeza meu lugar feliz!

Em Qualquer latitude do mundo, seu abraço é o lugar que mais gosto de ficar…

Simony Maiolini 

A poesia

Às vezes a poesia me alimenta
Mais do que o arroz com feijão, sem perceber,
E, me alimentando, me reinventa,
E me reinventando, me faz sobreviver,

A poesia, a que às vezes me sustenta,
Quando tudo em volta parece ceder,
Ela não cede, não me solta, e me aguenta,
E sua força me faz permanecer,

Porque não são só rimas entrelaçadas,
São muito mais que palavras combinadas,
A poesia para mim é como uma embarcação

Que me salva no instante exato do naufrágio,
E que cuida de mim e de meu pensamento frágil,
E toma conta do meu coração.

Luis Tavares

 

A boneca, Ana e o domingo

Todo domingo vejo uma boneca de cabelos longos
Sentada, ao fundo, entre muitos livros.
Que histórias ela carrega consigo?
De onde veio, como se chama?
Como não sei, inventarei…

Era uma vez uma menina chamada Ana.
Ela sonhava ser médica, mas enquanto não crescia, tratava suas bonecas.
Mas, pobre coitadas, Ana era cirurgiã, sempre lhes cortava as pernas!
Não por maldade, mas por lealdade. Ana tinha seus motivos.
Depois ela cuidava de suas feridas enquanto lhes ensinava sobre as coisas da vida.

Entre dores e fantasmas, perdas, lutos e muitas lutas, Ana cresceu e apareceu.
Hoje ela cuida de gente grande, gente doente, gente boa.
A boneca deve ser um presente de alguém que, assim como eu, ama Ana.
Ama ser cuidada por ela, ama ouvi-la, ama lê-la, ama vê-la
Sorridente e cheia de vida todo domingo de manhã.

Dilma Marques

 

Sagrado para mim é a reciprocidade do encontro, o calor das relações humanas, a doação que cabe em um olhar, o sentir dos corações em ressonância e as presenças que inspiram cuidado. Sagrado para mim são todas as formas de amor.

Beatriz Zampar

 

Fé no Eterno

Perplexo com a própria a solidão,
Reencontrou-se com sua fé no eterno,
Esqueceu-se do supérfluo que nos rouba o profundo sentido da vida,
E sem medo do fim,
Entregou-se a um novo começo.

Aléxia Toledo de Freitas

 

Até a hora da entrega

Para o jovem a vida é breve!
Para o velho a morte é certa!
Entre a vida e a morte; o chorar e o sorrir, o morrer e renascer.
Quando nos falta o ar só é preciso respirar,
Até  que  o coração escolha o momento de se entregar!

Aléxia Toledo de Freitas

 

O Ar para o Amor

Relembrar é ar para o amor,
É bilhete sem preço do filme da vida, mesmo que o custo tenha sido imenso,
É o acervo das memórias que posso escolher livremente,
É poder dizer com o olhar o que transbordou  no coração!
A saudade do que valeu a pena  viver nunca é breve, e rogo a Deus que seja eterna!

Aléxia Toledo de Freitas

 

A regra benzida

Nossa Senhora  livrai-nos das duras regras de conduta e comportamento,
Abençoe seus filhos com a sensibilidade de cozer nossa crua humanidade,
Presenteie a cada um de nós com a possibilidade de encontrar um tal ponto de fervura que a água fervida respingue mais em mim do que no outro,
Nos oriente a suportar nossas feridas e a cuidar da nossa própria pele.
Essa é a regra da vida que valeria a pena  herdar, aprender, seguir.

Aléxia Toledo de Freitas

 

Viva a Vida, meus 50 anos!

Desencane, não engane, e não se engane!  Ame de verdade, mate a saudade!
Preserve os amigos verdadeiros encontrando-se com eles, cuidando deles!
Sorria mais e ria, principalmente, de você!
Do outro, tenha paixão, faça por ele ao menos uma oração.
E assim, viva em paz, siga a vida e não olhe para trás!

Maria Aparecida Gonçalves

Felicidade que vi(vemos).
No tempo que se espera
O caminhar é a resposta
No meio de flores e pedras.
De quem vive um processo de paciência
Sonha, tropeça, levanta
Ora dança, ora descansa.
De quem faz a sorte acontecer
E visualiza o dito milagre
Sonhado, buscado
Chorado, trabalhado
Concretizado, compartilhado.
De quem convida pra dança
E ensina a dançar.
Levanta no tropeço
Acolhe e sorri.
Caminhar juntos
Na roda da vida
Porque a felicidade
Não sobrevive sozinha.
Priscilla Fazoli
Aquele Abraço
Abraço acanhado exagerado apertado
O que cabe dentro do abraço?
Cabe medo desespero saudade e felicidade
Qual valor de  um abraço?
Se tem valor ?!
Então tá, vale um sorriso , um afago, um silêncio um rodopio e outro abraço
O que trás um abraço?
Trás fé amor esperança
O que levamos do abraço?
Tudo !
Tudo o que é necessário pra continuar
Distribuindo abraços!
Jaqueline Oliveira

 

Era fogo que saia
Que queimava
O fogo que queimava por coincidência era o que limpava,
Que matava o que não era tão bom.
Vi-me olhando para fogo queimar,
De alguma maneira ele fazia parte de mim.
Ao mesmo tempo em que ardia
Limpava.

Hellen Capel

 

Pra mim era bem nítido
O que sua face estava contando.
Mas não cabia eu dizer!
Para mim, restou estar ali, observando sua face
E aguardando você.

Hellen Capel

 

Ao desejo de querer
Queria tanto pertencer
Que esqueci de ME respeitar.

Hellen Capel

Sonho
Há quem diga que quando compartilhado
fica mais fácil realizar
ele ganha força e potência.
Na sua crença com
paciência
ser leal a ele.
Correr atrás, com calma
persistir.
Um dia ele vai existir.
Como na música, sonho
que se sonha junto, vira realidade.
É verdade
Vanessa Motta
2021
Senti e vi nesse ano a banalização da morte.
Senti revolta.
Senti a mais profunda compaixão por entes queridos e também por desconhecidos.
Abracei bem de perto a despedida de uma avó que, distante durante anos, nos últimos tempos revelou-se uma avó querida e amada.
Senti que não preciso agradar a todos, como sempre tentei durante esses anos todos.
Senti apenas que devo seguir meu coração e seguir com aqueles que tem o mesmo dentro de si.
Senti o verdadeiro amor, o verdadeiro sentido da vida.
Espero que antes de partir, todos sintam o que senti.
Beatriz Castro

 

Companheiras

Elas chegam e trazem
Suas dores,suas mágoas,
Seus sorrisos,seus humores,
Escapes e aversões.
As Alegrias,seus medos,
Tristezas, amores e decepções!
Vertem lágrimas,
Dividem sonhos,segredos
Abrem corações!
Trazem seus inchaços , sua ira
Suas sangrias,seus calores
Fazem descobertas!
Dividem as inseguranças!
Falam de amores!
Desnudam o corpo e a alma
Contam a vida!
E, em algum momento,
Na memória recente ou longínqua
Nosso sentir se encontra!
Estamos juntas
Companheiras de ciclos
Cúmplices de sentimentos,
De perdas e ganhos!

A menina que fui ,
Se encontra,
Se encanta ou se espanta
Com as meninas que vejo!
A mulher que eu sou,
Com elas se encontra
Em muitos momentos!
Na imensidão dos sintomas
E dos sentimentos!
Nossas histórias se fundem,
Numa troca enriquecedora,
Em que a ajudante é ajudada.
Com elas ,sou Aprendiz!
Cresci,cresço,
Adolesço
Gesto,crio , amadureço
E encerro meus ciclos com elas!

Através delas!
Somos mulheres!
Companheiras!
Parceiras de vida!
      Para elas!

Graça Tânia

 

 

Encontro
Aquele encontro não seria somente uma conversa…
Aquelas conversas não trariam poucos encontros.
Aqueles dias nasceriam mais amigos.
Já aprendera que  se leva desta vida,
O que se planta nesta vida que se leva!
Assim também já falava Zaratustra,
ao comparar um amigo a um “Eu de dois”;
que como anjo e demônio acorrentados,
possuem chaves para a mútua liberdade…
é só ceder, só unir, um ao outro, a asa única…
e se elevarem com a segunda, ou não voarem…
Sinto-me assim com os amigos que ora partem,
Pr’outros encontros, novos vôos, outros ares.
Sinto-me triste, alegre, viva, tudo junto e misturado!
Mas o melhor dos encontros que tivemos,
ninguém nos tira, nem se perde com o tempo…
Pois desses encontros surgiram novos nascimentos!

 

Débora Schneider

 

Um Eterno Agradecer!

Um eterno agradecer…
O olhar, o sorriso, a companhia!
Saudade que se inicia…
Tudo que vivemos…
Tudo que dividimos…
Um presente!

Um eterno agradecer.
Corpos que se encontraram…
Que potencializaram suas vidas…
Na serenidade do amor acolhedor…
Acompanhador…
Amor paterno, amor materno,
Amor amante, amor amigo, amor colega, amor paciente…
No desejo do eterno retorno.
Do sempre! Do outra vez…
Um eterno agradecer!

Débora Schneider

 

Instante de desejo!

Desejos…
Desejantes…
Vivos…
Viventes!!

Quero um picolé!
Quero uma coca-cola!
Quero um chocolate!
Quero outra bicicleta!
Quero fazer um buquê de flores!

Um rapaz..
Uma senhora…
Um menino…
Um gurizão…
Uma vovozinha…

Quanta potência …
Quanta vida…
Quanta morte…
Quanta coragem!

Vidas desejantes:
sempre e para sempre!

Débora Schneider

 

Nós

Nosso amor é como um lindo campo, é tipo um amor campestre, onde a natureza e suas belezas se faz presente. Tem um delicioso aroma de felicidade e conexão no olhar. É brisa ao final do dia, é banho de cachoeira em pleno calor de verão, é aquecedor no friozinho do inverno, é ouvir Love sons deitados na rede em cada entardecer. Esse amor me põe em cheque mate, é uma prova de força quando me vejo diante de ti, ele sempre me nocauteia quando o meu olhar encontra o teu, quando meu corpo encontra o teu, onde cada detalhe é construído no embalo dessa energia que vibra no nosso encontro, e os movimentos em valsa, como uma sinfonia linda de Beethoven.

Rosineide Santos

 

Agosto, conexão e amor.

Chegou e apagou tudo o que foi vivido antes, completou, fez transborda adrenalina, trouxe paz, trouxe afeto, trouxe amor.
E desde a sua chegada os Agostos nunca mais foram os mesmos.
Eu me reconheci no seu olhar e continuo me reconhecendo, basta nos olharmos e há conexão através das nossas lentes naturais, imediatamente.
Há conexões em todos os contextos no nosso amor, Conexão interior, interiorana. Conexão de alma, conexão na selva de pedras, na correria do dia a dia, conexão em fibra ótica que nos mantém interligados 24 horas por dia. Há companheirismo, cuidado, respeito, risadas e gargalhadas. Para quê esperar a chegada do sol para aquecer, se o seu calor me aquece e me faz lembrar diariamente que você mora em mim e eu em você.

Rosineide Santos

 

Sentimentos

Amor de mãe,
Olhar que cura!
A verdade talvez seja mais dura
Um silêncio que dói, uma solidão que não passa
Queria sorrir, um sorriso leve, solto, verdadeiro.
Mas a dor é maior,
a angústia aumenta a solidão.
Uma solidão de uma presença  ausente, sem carinho, sem amor.
Amor que cura,
Olhar de mãe!
Queria falar, gritar, chorar, abraçar mas o silêncio fala, grita, chora, abraça.
Escrevo e me solto, vôo, passeio por espaços que não conhecia,
Sorrio em silêncio.
Olhar de amor,
Cura de mãe!

Cris Grossl

 

Propósito

Na morte existe um fim,
na vida um propósito.
Mas um fim da morte não é o fim.
Então,
o propósito da vida é
ver além da morte,
além da dor.

A alegria do encontro,
A brisa leve do mar,
Os primeiros raios de sol anunciando um lindo dia,
O presente do presente.
Viver minha vida,
Sentir meu sentir,
Voar o meu vôo!!

Um gole de chá,
um chocolate quente,
uma conversa,
um afago,
um colo,
um sorriso.
Propósito de vida!
Não deixar a vida passar.
Deixar a morte chegar,
Sem esquecer de viver.

Cris Grossl

 

O terreiro da infância

Era descalça que ela passava seu dia, correndo com galinhas , galos e perus na estradinha.
Entre macambiras e aveloz apreciava os voos dos carcarás e assim via a boquinha da noite chegar. À noite passeando com os vagalumes apreciava os cantos dos sapos e gias. O sereno em seus cabelos pretos retinto batia.
Uma vida livre como a natureza, cheirosa naturalmente com aroma do campo.
Nesse edifício humano de vários compartimentos há uma gostosa saudade e janelas que ao abri-las vislumbrasse com as paisagens e histórias lindas vividas, são visões extraordinárias de uma época mágica, há saudosas lembranças em meio ao caos de uma vida urbana agitada típica de uma selva de pedras.

Rosineide Santos

 

Anita

Olhos de céu
Cabelo de fogo
Ora menina assustada
Ora mulher destemida
A mais bela flor nascida na Hungria
Florescida em coração verde e amarelo
Me ensina a não fugir
Me ensina a ficar

Juliana Santin

O infinito é assim:
uma estradinha de terra
que corta este mundão sem fim
torta, poeirenta, quieta
lá mora o eterno
e você e eu

Cynthia Azevedo

 

Dizem que o amor não dói
E o que dizer de Maria desolada?
Mãe sem filho, dor sem nome.
Ali reverbera a essência da dor
Dor doída, amor sem som.
A chuva cai lá fora,
O som dos pássaros me conta que o sol virá.
Maria desolada
Mãe do Amor!

Cris Grossi

 

Só quando tudo é alegria
Só, onde todos fingem amizade
Só, quando o amor passa
Sempre só há de ficar…
Se sua vida assim continuar.

Nunca ficará só se tiver Deus consigo.
Sempre há de sorrir se souber olhar e ver.
Sempre haverá riqueza se souber lutar para encontrar.
Terá amigos se souber se dar.
Sempre haverá amor se você souber amar .

Quando a chuva cai e rega o solo
Suas lágrimas junto dela estarão
Assim como a vida se torna bela depois da chuva.
Seus olhos também sorrirao apos chorar
Saberão melhor apreciar as coisas belas do que aqueles que nunca tiveram que chorar.

No Reino do céu se encontrarão aqueles que souberam esperar
Esperar a felicidade vir sem sem nunca se rebelar

Valeska Ortolano

 

Coração no Lugar.

Tenho dois corações, batendo fora do meu peito.
Minhas palavras preferidas:
Benjamin! Meu primogênito!
O filho mais amado, segundo seu significado.
Meu primeiro coração a bater fora do peito.
Benício! Meu caçulinha!
Abençoado! O que vai bem!
Meu segundo coração a bater fora do peito.
Começar qualquer coisa com o coração no lugar certo, é começar sabendo que o Ben e o Ben estão bem!
Suellen

 

Receita para acolher as saudades

Ingredientes
01 colher infinita de amor
01 porção de resiliência
½ colher de sopa de paciência
01 pitada de lembranças (a gosto)
Coragem, fé e auto-cuidado a gosto

Modo de Preparo
Misture a porção de resiliência, com a colher de paciência, a pitada de lembrança, a coragem, a fé e o auto-cuidado, em movimentos delicados, sentidos e atentos.
Salpique amor, até que se obtenha uma massa homogênea.
Leve ao coração e à memória até aquecê-los.

Sirva, nem muito quente nem muito frio, de preferência em temperatura ambiente, em porções generosas a todos aqueles que precisarem.
Deguste calmamente, sorvendo cada ingrediente de forma a senti-los.
Engula com satisfação e alegria.
Quando estiver se sentindo saciado(a), pare de degustar! O excesso pode causar mal-estares.

Bom apetite para a alma!

Maria Cristina

 

FAMÍLIA

Raiz da minha existência
Presença, Ausência
Porto onde me seguro
Mar revolto
Abrigo de minhas dores
Pelourinho de meus amores
Deserto de entendimentos
Casa de acolhimentos
Morada de desejos
esquecidos, recebidos
benquerer, mal querer
Prazer
Agonística
Aninhada estou em seus braços
Abraços
Solidão
Encontros, desencontros
Nascer de minhas auroras
Anoitecer de minha’alma …

Maria Cristina

 

Elucubrações

Amanheci pensando em Deus…
Seus mistérios e capacidade de amar…
Sem escolher a quem!
A vida é mesmo um presente?
O que tenho feito com ele?
Acredito, que tenho ao menos tentado ser merecedora…
Ocupo-me do passado, para me dar base para o hoje e o amanhã…
A vida, foi sempre compassiva comigo… Tive o que precisei e tenho por missão, repassar para os que encontrar…
Amo aprender, deleitar-me com a música, ensinar o que sei…
Continuo este caminhar, sem grandes sonhos ou desejos, mas sempre grata por tudo e por todos que encontro nesta caminhada….
E sei, que assim, sou feliz e abençoada…

Silvia de Cássia Serenini Prado

 

Dicotomia

“A vida é de uma dicotomia fascinante!
Nosso lado sombra é rudimentar,está sempre a postos, para que ninguém esqueça.
É inalcançável nossa tentativa de resplandecer.
Precisamos nos movimentar com constância
e permitir que o lado luz se mostre
afável e jeitoso e, que então assim, permaneça!”

Nenci Vidal

 

O preço que me custa ser

– Moço, quanto custa a liberdade?
– Depende. O quanto você a quer?
– Quero muito! Esses trocados dá?
– Dá sim. Mas não se preocupe com esses trocados de papel. O que vai te custar caro mesmo é a coragem.
– Quanto?
– O tanto que você estiver disposta a caminhar com ela.
– Tenho tudo isso!
– Ótimo. Então você só vai precisar ter um lugar pra guardar aí dentro.
– Guardar, moço??!! Você acha que alguém vai roubar??!!
– Minha filha… Liberdade não tem preço. Mas tem valor.

Priscilla Fazoli

A vida é uma só

O sal que salga o solo
que rega as raízes
cria as pedras
e sustenta os galhos

É o mesmo que move o mar,
molda as conchas
e que gruda na areia
quando a água evaporar.

Os peixes que nadam em minha cabeça
são as minhocas que revolvem sua terra,
enchem de ar fresco meus rios
e tuas sementes.

A chuva que lava nossa pele
é a mesma que escorrega nas folhas
que lambe a cera da vida
vira seiva das frutas
e alimento dos pássaros.

As nuvens que navegam
dentro dos nossos pulmões
e sobre as faces
são lugar de água fresca
e correm para a terra
e nutrem nossos peitos,
barrigas,
entranhas.

O universo conversa o tempo todo
consigo mesmo
O dono de tudo habita em mim
Em ti, e fora,
em todo o canto.
É água e é a floresta de todo o vento
A vida é uma só.

Giuliana Santana

O que sobra?
para além das camadas
de poeira que o tempo juntou
O que se entremeia em cada uma delas,
perpetuando seu caminho infinito
avançando nas memórias dos que ficam
e dos que vão,
dos que ainda se lembram
e também dos que não …

o que se firma?
entre os dedos dos anos
das décadas e dos conjuntos delas,
que é contado pelas vozes do não dito
ao acordar e ao se deitar,
pela cantiga sutil das crianças
e dos antigos que a calam consigo …

O que persiste?
acumulando fios, cores e tecidos diversos
poeira rolando pelas ruas e soprando nas casas,
mesclando-se com novas e antigas alianças
feitas e refeitas lindamente, como alento …

o que fica
são as histórias
de nossos farrapos
os abraços
as texturas dos trapos
memórias
sutis como o peso do vento
e intransponíveis
pelo tempo.

Giuliana Santana

 

Uma vez jogado o Amor no Universo,
Ele jamais o deixa de ser.
Amor se recicla, se despe, se veste,
não envelhece.
Se guarda em sementes, reabre n’outro canto,
muda os temperos, troca de pele, não adoece.
Se ignorado, não há inveja que se preste;
A Ele, nada carece.

Amor sabe impregnar
no solo e na seiva das árvores,
adoçando novos e caducos frutos.
Areja o solo, nossos pulmões,
o caminhar de todos os seres,
de forma que todos os passos
e ventos suspirados
façam a roda girar.

Não existe fim
De um amor uma fez jogado no Universo.
A gente planta, a gente es(colhe)
e a corrente jamais se desfaz.
É fluxo inescapável da vida,
assim mesmo como não se pode,
de forma alguma,
andar para trás.

Giuliana Santana

 

Pele esse tecido….

Nasci revestida de um tecido delicado
Que me protege e cuida de mim
Hoje parei uns segundos para  agradecer:
Meus ancestrais
A  energia Divina
E os elementos da  Terra e da Natureza
Que formam esse corpo que se expressa e
Se manifesta no arco-iris da vida

Corpo que emana alegria, luz e vitalidade
Corpo que reclama ,doí e me chama a atençao
Corpo que me faz expressar melodias encantadoras
Corpo que me escuta, sente e se emociona

Corpo que me transporta a lugares inusitados e encantadores
Corpo que me faz sentir os prazeres da vida

Ah que maravilha voce é para mim
Eu te agradeço meu Cálice Sagrado
Cada átomo, célula, molécula que integra o meu SER

Eu, Só posso ser com você !

Thais Haddad Prati

Aquilo que vibra em mim

Hoje quero olhar somente o sol
O brilho..
A luz …
O sopro que a vida me traz a cada instante …
E Entre os instantes..
Aquilo que pulsa e movimenta o meu Ser
E ao pensar em  sentir ..
Já começo a sentir…
O batucar da respiração..
O tüm tüm do coração ..
Ah..
A melodia de   palavras
Tudo Vibra  nas células do meu ser
Obrigada amigo meu camarada …

Thais Haddad Prati

 

Poesia 1:
Quanto a mim
aos poucos vou descobrindo
No jardim da vida
nem tudo são flores
Ainda assim,
é preciso continuar a regar
Entre as pedras no caminho
algumas flores vão  brotar

Poesia2:
Quando perco a direção
e em meu peito habita confusão
Desligo os ruídos do mundo
e ainda que por um segundo
Ouço meu coração

Joyce Monteiro 

 

O sorriso de Ana

Tem os olhinhos serrados,
quase fechados, pelo doce sorriso largo!
O sorriso de Ana,
tem um brilho encantado,
rosto marcado, pelas covinhas dos lados!
O sorriso de Ana,
traz confiança, lembra uma criança!
O sorriso de Ana,
é uma imagem tão bela, todas as cores possiveis da aquarela!
O sorriso de Ana,
é a imagem mais bonita do Domingo, que eu conto os dias  para ver de novo o sorriso dela.

 

Renata Leal

 

A flor

Encontrei uma flor
com cheiro de justiça
e cor de alteridade.
Ela estava meio murcha,
meio
ca-
bis-
bai-
xa…
Cantei alguns versos
para ver se a flor
desabrochava,
mas nada.
Nadinha.
Então parti para o drama:
chorei,
chorei,
chorei…
Quantas lágrimas são preciso para regar essa flor rara?

Gabriella Mendonça Leão de Oliveira

 

Esperança

Doce Dança
Circula e flui
Por entre meus braços
Meu coração
Meus pés
Assenta, sensata
Percorre as veias
Alcança a mente
E acalma.
Tudo flui

Márcia Cristina Gutman

 

Primeira Poesia

amor, amorosa, lindeza

delícia é  brincar com as palavras que a gente gosta

não sabia que poderia fazer poesia

maravilha a vida

troca

simples

sempre há de faltar palavras

gratidão

Andrelin

 

dá para escutar

dá para escutar o silêncio
enquanto espero coar o café…
onde estaríamos agora?

agora…
ainda é madrugada e as crianças dormem

penso nos planos que um dia fizemos
casar novamente ao som do Elvis em Las Vegas
eu consigo ver você rindo

agora…
ainda é madrugada e as crianças dormem

penso nos lugares que um dia queríamos conhecer
qualquer lugar que tivesse praia
eu consigo ver  você caminhando na areia

agora…
ainda é madrugada e as crianças dormem

então faço anotações isoladas no meu caderno
o que eu escrevo enquanto não escrevo
eu consigo sentir você entre espaços e pontuações

onde estaríamos agora?
enquanto espero coar o café…
dá para escutar você

Rafael Stein

 

Seja você.
Com leveza, clareza
Ainda que não pareça,
não se esqueça,
floresça.

Seja você.
Fuja do roteiro
Recuse rótulos
Dispense o pódio
Apenas, curta o ócio

Seja você
Dance, cante,
de brincadeira
ainda que erre a letra, os passos,
se atreva.

Seja você
Com certeza,
a recompensa,
leveza.

Seja você
Acorde com o sol
Leia, escreva poesias
Ao final do dia,
sorria.

Vanessa Motta

 

A resiliência na família é porque existe amor e com sabedoria e paciência a vida floresce em filhos, netos e em alegria.

Ivani Vieira

 

O varal espreguiçava as camisas na beira do rio
O sabão ainda escorria na margem lavando a lenha
A tigela escapuliu das mãos e foi trombar na pinguela
O pão adormecido de ontem ficou no sereno
O quarador agora espera um corpo cansado… Maria, fecha a porteira.

Geisa Alvarenga

RETOMADA POÉTICA
A poesia adormeceu em meio ao tempo que passou.
O emaranhado de emoções que tomavam a folha de papel,expressando amores imensuráveis.
Um tempo adormecido.
E aqui um caderno presente, folhas em branco aguardando o momento certo.
Sincronicidade: palavra nova que desponta nas manhãs de domingo e perpassa nos sentidos da vida.
E aqui estou eu, admiravelmente e emocionalmente nessas linhas, relembrando o tempo e novamente preenchendo as linhas pulsantes do coração
Érica Maria Santos Gonçalves 

 

Jéssica Arantes

 

Parada frente a imagem do espelho
me reflito e te reflito.
Porque há de mim um pouco do que és e muito do que sou.
E agora que partes,
o pouco de ti se tornou muito
e o muito do que eras se tornou maior ao unir-me ao que sou.

Cristina Collusso

 

AMOR E VIDA
AMOR É VIDA
VIDA E AMOR
VIDA É AMOR
VIVER E AMAR
NOSSA VIDA É FEITA DE AMOR
QUEM AMA VIVE
A MORTE DO AMOR NEM SEMPRE MATA A VIDA
A MORTE DA VIDA NÃO MATA O AMOR
AMOR, CUIDADO, CURA, ALMA, CORPO E VIDA.

Ancicleide Barreto

 

POEMINHA

Meu poema
Põe minha
Alma do avesso
Confesso
Secretos desejos
Em verso
Liberto
Palavra andorinha
Que voa
Num estampido
Tô estampada
Na folha

Thaís Borguezan Nunes

 

Entre ela e eu
Surgiu como por magia
Uma suave e doce harmonia
Uma perfeita e fina sintonia
Um elo
Uma âncora
Uma alegria

Sem mais,
Numa névoa
Numa fumaça
Sem nenhum alarido

Sem choro,
Sem dor,
Sem perceber,
Sem agonia,

Lentamente, tudo se esvaia
Numa monótona
e triste letargia.

Afinal,
era mesmo, só fantasia.

Marilene de Oliveira Vani

 

Tem um espaço no infinito desse instante
Tem um azul no encontro com o amor
Levo comigo o espaço e o azul, junto a coragem e vou pro mar
Cuidar da travessia, que a vida está logo ali
No inesperado agora.

Liane Muniz

 

Há que se ter  colhões

Sim
É   preciso  colhões para ser feliz
Viver nossa verdade requer dignidade
Crescer exige muita coragem
Florescer  pede  liberdade
Não há como amar incondicionalmente sem esperança
E gratidão e  sabedoria são fundamentais  para   viver e morrer plenamente

Isabel Domingos

Há pessoas que passam pela nossa vida
e deixam marcas profundas.
Outras,  belos estragos.
Ingrid Grosser da Costa
IDEM
Pelo carinho da vida, servindo de lição
Água , fonte de crescimento que nos leva a gratidão
Conhecer…janelas abertas instigam a Ser igual ou avesso do que se vê
Na Paz que a empada traz
Recíproco seja todo bem que o IDEM carrega em si …
Joseli Picelli Camargo

 

Girassol
Há que bom que não  podes ler meu  sorriso, aquele aceno , o olhar perdido
Um corredor por tantas vezes percorrido hoje tão frio e cumprido.
Dentro de mim um choro escondido
Um banho pra aliviar a dor e gritar baixinho, de joelhos uma prece um pedido, Deus não tires de mim meu Girassol favorito.

Jaqueline Oliveira

 

Que o vento que vem de longe pode aspirar os resíduos da alma,
Que o risco de fogo, que rasga o céu na aurora, pode iluminar a terra e aquecer corações,
Que um olhar pode dizer tudo ou retirar todo o sentido do mundo,
Que a fé remove montanhas e muda o curso de vidas,
Que bênção, é de vó, que acolheu todas as rugas;
Que o amor nada mais é que desejar a felicidade do outro, sem mas…
Que respirar é um milagre, sacramento;
Que haja o que houver sempre haverá horizonte,
Que família é um amontoado de sentimentos,
Que trabalho é prazer,
Que paixão sempre faz falta,
Que solidão não depende de companhia,
Que criatividade é leitura interior,
Que a mesa da cozinha é terapêutica,
Que a cama do casal, o peito do amado, o colo, ressignificam o repouso;
E que a arte descansa a alma,
Eu creio!

Marília Peres

 

Tanto
De tanta saudade,
Me fiz casa,
Me fiz lar,
Me aconcheguei em mim.

Nessa casa-eu
Mora filha,
Mora pai, mora mãe,
Mora irmão e cunhada,
Moram gatinhos e o meu Anjo da Guarda

Por tanto esperar
Me fiz lar
De tanto amor que nessa vida há.
E é nessa casa-família
Que para sempre eu hei de morar.

Guímel Elaise Vani

 

Criança que se emociona,
Desconfiada e Curiosa:
Vá, aproveite o tempo!
Nada se repete!
Misteriosa é a vida, aproveite!
Pra casa volte,
Sempre que precisar!
Receba o meu abraço
Pra nele, terna, descansar
Minha criança interior!

Raquel Franck Barboza Lhullier

 

Levinha

Quero envelhecer levinha

Leve como as folhas que aquarelei
Com a alma suave , em tons pastéis

Quero ter nos olhos
O brilho das pérolas
E ter no corpo a elegância das tulipas
Pra poder dançar bem leve
E dar meus rodopios

Quero ter a mansidão das zebras
E ver o mundo colorido
Como as roupas nos varais
E as bolinhas dos vestidos

Quero agasalhar e aconchegar
Com meus abraços, juntar pedaços
Como nas colchas que costurei

Quero ser ser enfeitadinha
Como um embrulho de presente
E onde houver poesia
Ou uma história lida ou contada
Não posso estar ausente

Quero continuar com a vida encantada
Quero sentir-me amada
Viver meu papel de ponte
Ou ser um caminho

Quero envelhecer levinha
E levinha partir
Como num voo de passarinho!
Graça Tânia

 

ETERNIDADE

Sempre haverá você e eu
Ainda que a visão não seja alcançada
O cheiro sentido
O toque percebido!
Sempre haverá eu e você
Nas histórias contadas
Nas lembranças deixadas
Nas musicas lembradas
Nos sabores sentidos
Sempre haverá eu e você
Na energia amorosa
que transcende o tempo e o espaço!

Sempre haveremos!

Graça Tânia

 

O amanhecer floresce a evolução
A intuição nutri a iluminação
Com o fim de evoluir
Me conecto ao fluir
Ilumino
Crio
Floresço
Vivo

Aline Rocha

 

Intimidade é quando a gente se coloca vulnerável nas trocas de afeto
e isso reflete no outro o seu sentimento mais genuíno
é ter cuidado com o peso do que é dito e ouvido
porque quando o que sobrar for saudade
saberemos que tudo que se foi fez sentido
e foi incrível

Lais Tosta

 

Ser
É lindo
Almas se conectam
e se acolhem.

A gente se encontra
em cada ponta
Eu não sou mais eu
Sou também um pouco
de você
E isso me basta
Ser, sermos

Vanessa Ferreira Motta

15 COMENTÁRIOS

  1. AMOR E VIDA
    AMOR É VIDA
    VIDA E AMOR
    VIDA É AMOR
    VIVER E AMAR
    NOSSA VIDA É FEITA DE AMOR
    QUEM AMA VIVE
    A MORTE DO AMOR NEM SEMPRE MATA A VIDA
    A MORTE DA VIDA NÃO MATA O AMOR
    AMOR, CUIDADO, CURA, ALMA, CORPO E VIDA.

  2. Só quando tudo é alegria
    Só, onde todos fingem amizade
    Só, quando o amor passa
    Sempre só há de ficar…
    Se sua vida assim continuar.

    Nunca ficará só se tiver Deus consigo.
    Sempre há de sorrir se souber olhar e ver.
    Sempre haverá riqueza se souber lutar para encontrar.
    Terá amigos se souber se dar.
    Sempre haverá amor se você souber amar .

    Quando a chuva cai e rega o solo
    Suas lágrimas junto dela estarão
    Assim como a vida se torna bela depois da chuva.
    Seus olhos também sorrirao apos chorar
    Saberão melhor apreciar as coisas belas do que aqueles que nunca tiveram que chorar.

    No Reino do céu se encontrarão aqueles que souberam esperar
    Esperar a felicidade vir sem sem nunca se rebelar

  3. Era descalça que ela passava seu dia, correndo com galinhas , galos e perus na estradinha.
    Entre macambiras e aveloz apreciava os voos dos carcarás e assim via a boquinha da noite chegar. À noite passeando com os vagalumes apreciava os cantos dos sapos e gias. O sereno em seus cabelos pretos retinto batia.
    Uma vida livre como a natureza, cheirosa naturalmente com aroma do campo.
    Nesse edifício humano de vários compartimentos há uma gostosa saudade e janelas que ao abri-las vislumbrasse com as paisagens e histórias lindas vividas, são visões extraordinárias de uma época mágica, há saudosas lembranças em meio ao caos de uma vida urbana agitada típica de uma selva de pedras.

  4. AMOR SEM MEDIDA

    O amor acontece da forma mais sutil.
    Acontece por conta da necessidade de ser.
    Alguns acreditam que sentir amor é alegria.
    Sentir amor é felicidade.
    Sentir amor é cuidado.
    Sentir amor é ser presente pro outro.
    Sentir amor é doar ao outro o que temos de melhor.
    Sentir amor é proteção.
    Sentir amor é sentir a plenitude se viver…
    Então, sentir amor é ter gratidão a sua vida e a só outro…

  5. NÓS E DEUS

    Quem é Deus?
    Quem somos nós?
    Deus é a energia suprema da vida…
    Nós somos filhos de Deus…
    Podemos dizer que somos energia suprema? Não…
    Somos uma soma dessa energia de Deus…
    Se Deus é o Pai, somos os filhos…
    O que Ele espera de nós?
    O melhor que podemos fazer pelos nossos irmãos…
    Irmãos doentes.
    Irmãos que curam.
    Irmãos insanos.
    Irmãos que oram.
    Irmãos egoístas.
    Irmãos que compartilham.
    Irmãos infelizes.
    Irmãos que a felicidade carregam.
    Irmãos em fase terminal.
    Irmãos que transformam essa fase em início.
    Sejamos irmãos de luz.

  6. LUZ DA VIDA

    A vida podemos dizer que é luz.
    A luz é a vida em amor.
    O amor, a gratidão e o perdão, são energias emocionais.
    A saúde, o bem estar e a qualidade de vida, são energias vitais.
    Façamos uma reflexão.
    Transformar o final da vida,
    De um paciente em início.
    É dizer que o impossível está ao alcance.
    Um sorriso.
    Um beijo.
    Um gesto de carinho.
    São movimentos se uma vida que está no fim.
    Uma médica que desbravou tudo isso.
    Dra Ana Cláudia revolucionou métodos.
    E trouxe de volta a luz da vida…
    Gratidão eterna!

  7. ONDE QUEREMOS ESTAR?

    Queremos estar onde nos faz bem…
    E conseguimos sempre estar onde nos faz bem?
    Não, somente quando é possível.
    Simplesmente porque estamos em lugares diferentes o tempo todo.
    Estar nesses diferentes lugares nos traz conhecimento e vivência.
    Pensamos em estar num leito de hospital, e bem?
    Não…
    Então, nem sempre estamos onde queremos.
    Pelo simples fato que certos controles da vida nós não temos.
    Mas podemos fazer uma opção.
    De ficarmos bem em todos os lugares que precisamos estar.
    Eu desejo, me sentir bem principalmente dentro de mim.
    Gratidão!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui