G1: Cuidados paliativos: tudo a fazer quando não há mais nada a fazer

A Dra Ana Claudia Quintana Arantes conversou com a jornalista Mariza Tavares, do Portal G1, sobre cuidados paliativos (fonte: https://goo.gl/pwBnNS). Confira a íntegra do texto abaixo:

 


 

Quinta-feira, 09/02/2017, às 06:00, por Mariza Tavares

Cuidados paliativos: tudo a fazer quando não há mais nada a fazer

A médica geriatra Ana Claudia Quintana Arantes fez pós-graduação em psicologia e especialização em cuidados paliativos pela Universidade de Oxford. Na introdução de seu livro “A morte é um dia que vale a pena viver”, editado pela Casa da Palavra, ela conta que, numa festa, ao lhe perguntarem o que fazia, respondeu: “Eu cuido de pessoas que morrem”. Foi o suficiente para que eu não conseguisse interromper a leitura. A área ainda é pouco conhecida, mas terá cada vez mais visibilidade com o envelhecimento da população.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a especialidade de cuidados paliativos consiste na assistência, promovida por equipe multidisciplinar, para melhorar a qualidade de vida do paciente e de seus familiares diante de uma doença que ameace a vida, por meio de prevenção e alívio do sofrimento. Não se trata apenas de cuidar de quem tem pouco tempo de vida, mas também de todos que sofrem de enfermidades crônicas graves. A família tem que ser incluída porque adoece junto, desde o diagnóstico, e o processo pode desintegrar ou fortalecer os laços afetivos.

A doutora Ana Claudia atribui a escolha desse campo de atuação ao fato de ter testemunhado o que a avó enfrentou depois de amputar as pernas por causa de uma doença arterial. Ela chegou a largar a faculdade de medicina na metade do quarto ano por não suportar a agonia dos doentes, como relata:

“Durante a faculdade, quando via alguém morrendo em grande sofrimento (e, num hospital, isso acontece quase sempre), eu perguntava o que era possível fazer, e todos diziam: nada. Isso não descia. Esse ‘nada’ ficava engasgado no meu peito”. É justamente onde atuam os cuidados paliativos: mesmo que o tratamento não vá mais surtir efeito, ainda há muito o que fazer pelo ser humano que está ali.

No curso de medicina não se fala sobre a morte, ele é voltado para curar. Para a autora, isso é um grave senão na formação do profissional. “O médico que foi treinado sob o conceito ilusório de ter poder sobre a morte está condenado a se sentir fracassado em vários momentos da carreira”, diz. Ela diz que o desafio do médico é acertar na avaliação e no tratamento da dimensão física sem sedar o doente: “infelizmente, no Brasil, todo mundo pensa que fazer cuidados paliativos é sedar o paciente e esperar a morte chegar”, critica.

A qualidade desse tempo que resta fará toda a diferença. Tempo que servirá para a despedida dos entes queridos ou, se houver condições para isso, até participar de um evento marcante como, por exemplo, a formatura de um neto. Como ensina a médica:

“O que mata é a doença, e não a verdade sobre a doença. Quando pergunto em uma aula quem gostaria de saber a verdade sobre uma doença grave, a maioria levanta a mão dizendo que sim. Então já aviso: conversem com seus filhos, amigos, família, sobre esse desejo. Porque na hora que migramos para a condição de doente, quase todos à nossa volta nos considerarão incapazes de viver o que precisamos viver.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui