Revista Bodisatva: Doença e envelhecimento são privilégios

Foto de Tan Danh

A Bodisatva reuniu duas entrevistas concedidas pela médica Ana Cláudia Quintana Arantes: a primeira foi oferecida à nossa equipe no último 108 Horas de Paz, evento promovido pelo CEBB e Instituto Caminho do Meio; a segunda integrou um episódio do podcast Coemergência. O propósito de ambas foi de ampliar a conversa a respeito da morte e do envelhecimento.

Ana Cláudia Arantes é formada pela USP, com residência em Geriatria e Gerontologia no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e especialização em Cuidados Paliativos pelo Instituto Pallium e Universidade de Oxford. Entre muitas outras funções e atividades, ela é sócia fundadora da Associação Casa do Cuidar, que fornece ensino em Cuidados Paliativos.

Responsável pela elaboração e implementação das políticas assistenciais e treinamentos institucionais em Cuidados Paliativos e Terapia da Dor no Hospital Israelita Albert Einstein (SP), ela é docente da School of Life, ministrando as aulas “Como lidar com a morte”. Nos últimos anos, vem desenvolvendo conversas sobre a morte no intuito de desvendar o tabu do tema. Também é autora do livro “A morte é um dia que vale a pena viver”, publicado pela editora Casa da Palavra.

Confere aqui:


Por que temos que começar a falar mais sobre a morte?

Penso que todo evento muito importante, todo acontecimento significativo da nossa vida, precisa de um preparo. Se você vai entrar na faculdade, pedir alguém em namoro, se vai casar ou mudar de país, você precisa se preparar para que estes sejam momentos muito bons na sua vida. Então não faz sentido você não se preparar para o último grande evento, a última vez que você será o protagonista desta história vivida aqui, nesta dimensão. Por isso é tão valioso falarmos sobre a morte  – assim estabelecemos todo programa da nossa vida com base no conceito de que há limite, tem uma data para acabar. Isso faz com que todos os outros eventos se realizem no tempo em que precisam acontecer, pois a maioria das pessoas vive deixando para depois as coisas importantes de serem ditas, de serem vividas, e a morte estabelece um limite final, não há nada que possa ser feito depois dela.

O que nós perdemos ao não falar sobre isso?

A morte é um evento raro, da perspectiva da nossa própria vida, porque acontecerá uma única vez. Ao mesmo tempo, se olharmos ao redor, ela é muito frequente. Todos os dias, centenas de pessoas morrem. Não tenho a menor dúvida de que no momento em que você toma consciência da sua morte, você consegue olhar para sua vida de uma maneira muito mais amorosa. Temos muitas chances de sermos irresponsáveis com nossas escolhas, com nossos sentimentos, com nossas atitudes. O tempo inteiro estamos submetidos a oportunidades que perdemos, porque achamos que podemos fazer de novo, ou nem pensamos sobre isso. Vivemos de modo meio automático.

Só que se você viver de modo automático ou de modo consciente, o tempo passa do mesmo jeito. O tempo não se importa com sua consciência sobre o que você vive dentro dele. O tempo passa. Se você não dá importância para esse momento que está vivendo agora, o tempo não se importa, o tempo está passando. Quando esse tempo traz para você a oportunidade de ter consciência sobre o fim dele, por exemplo, no diagnóstico de uma doença grave, você olha para sua vida inteira e fala “O que é que eu fiz? Eu perdi tempo”.

Nesse cenário, você tem o diagnóstico da doença nas suas mãos, mas você está vivo. Tem as pessoas que falam “ah, eu quero minha vida de volta”, só que sua vida não foi embora. A jornada da doença é parte da sua história. Você não quer sua vida de volta, você quer tempo para poder ter a vida que, agora sabe, é importante de ser vivida. Nesse sentido, quando se está pedindo cura, na verdade, vejo que as pessoas estão pedindo tempo, porque elas querem cura para poder viver mais. E viver mais, na verdade, é viver, porque elas não viveram até aquele momento. Elas só ocuparam o tempo com situações automáticas, com escolhas não amorosas, com falta de consciência, falta de lucidez.

Quando trago essa conversa para espaços onde a doença não está presente ainda, ou ela está presente, mas de uma maneira mais distante, vejo o quanto ela traz transformação. Porque a pessoa não precisa mais da biópsia positiva para câncer, ela não precisa mais de um exame do coração dizendo que ela teve um infarto, ela só precisava dessa consciência. Isso transforma a vida das pessoas. É muito bonito. Porque elas nem precisaram ficar doentes para dar valor a esse tempo. Para colocar amor nessa troca.

 Já tive oportunidades de ter contato com pessoas que viveram essa conversa, passaram um tempo muito bem e depois adoeceram. Mas elas adoecem de um outro jeito, elas já adoecem com essa visão: “Ah, a doença faz parte da minha história, e eu vou viver essa doença de outro jeito agora, porque eu não perdi tempo, eu vivi”. Agora, com o que eu vivi, tenho condição, tenho reserva, tenho bagagem, tenho minha mala de mão para fazer essa travessia da melhor forma possível. Sem ficar angustiado porque preciso de tempo. Se tiver tempo, que bom. Se não tiver, tudo bem, é a minha história.

Temos dificuldade de pensar também no envelhecimento.

Nós não somos ensinados a perder e o envelhecimento contempla várias oportunidades de perdas. O que há disponível no mundo da auto-ajuda são apenas ensinamentos para você ganhar sempre: como ganhar amigos, ganhar dinheiro, ter sucesso na carreira, ter boas relações, ter filhos incríveis. Não há nenhum tipo de amparo para quando você perde, porque perder significa fracasso. Considera-se que uma pessoa que envelhece livremente como uma afronta, um tipo de ofensa, uma decrepitude ou uma vergonha. Todos tentam maquiagem externamente como botox, plásticas, redução de barriga – essa loucura de obsessão pela questão física. No entanto, as pessoas estão precisando de preenchimento existencial, e não de botox.

As pessoas ficam presas nessa dimensão concreta porque, olhando no espelho, parece que deram conta de resolver a questão do envelhecimento. Está esticadinho, está tudo certo. Do lado de dentro, entretanto, não tem como negar que você perdeu tempo. Quando tinha 30, você não se dedicou a viver seus 30 anos, dedicou-se a construir patrimônio, lutar, ou aproveitar a vida desleixadamente, sem pensar que envelheceria. Quando você chega aos 60, se dá conta de que não viveu os 30 e deseja vivê-los, e se dedica a parecer que tem 30. No entanto, o tempo passou, você não tem mais tempo, acabou. É necessário guardar para o futuro, sim, mas também é indispensável viver a aposentadoria todo dia. Todo dia precisa ter um espaço de aposentadoria, que não pode ser apenas às seis da tarde, tem que ser durante seu dia.

 O que é a aposentadoria? É um retiro. É você se retirar e contemplar o que você fez no dia. Pode ser ao meio dia. A gente se retira e olha, então tem reservas para o resto do dia. Isso é a aposentadoria, é ter reserva. Não se trata só de uma reserva financeira, é uma reserva física, amorosa, de paciência e tolerância. Principalmente, reserva de criatividade, de aprendizado. Precisa ter uma reserva para continuar aprendendo, porque se você se engessar e pensar que está velho, experiente, e sabe tudo, então você tem a indicação formal de reencarnação. Porque, então, não tem jeito. Não há mais nada nessa vida a ser melhorado. Na Medicina, nós temos a indicação formal de determinado procedimento e, neste caso, a indicação é de renascimento.

Temos a perspectiva de que em 2030 o número de idosos no país seja superior ao número de crianças e adolescentes até 14 anos. Como poderíamos cuidar desse envelhecer?

Temos uma tragédia anunciada. Não é uma tragédia inevitável, mas é uma tragédia anunciada. Ou nos preparamos para enfrentar isso ou sofreremos muito, porque haverá, realmente, muitos idosos. Sabemos que o perfil da população mais idosa, acima de 85 anos, é um perfil que mostra 50% dessas pessoas com quadro de demência. Teremos muita gente idosa sem saber que é idosa e sem capacidade de cuidar de si mesma. Temos um perfil de família com um número muito reduzido de pessoas para prover essa assistência. Ninguém dá conta de cuidar porque precisa trabalhar e essas pessoas vão morrer sozinhas e muito mal, pois não terão assistência. A condição de assistência à saúde no país é a cada dia pior. Não é ruim apenas no serviço público, está ruim em todos os lugares, mesmo quem tem dinheiro não recebe um serviço de qualidade.

 Inclusive, penso que quem tem muito dinheiro pode até sofrer mais, porque possui acesso a tratamentos fúteis, super caros e muito agressivos. Não adianta apenas ter dinheiro, é necessário ter consciência e lucidez a respeito de onde você direciona esse dinheiro para ter uma equidade de recursos e dar ao paciente todo o necessário, e não tudo o que existe. Nesse processo de envelhecimento, penso que duas ações são fundamentais: uma é se preparar para cuidar dos nossos idosos e a outra é se preparar para nossa velhice. Falo que a doença e o envelhecimento estão reservados para os privilegiados, porque morte e sofrimento é para todo mundo. Não há ninguém que se diferencie nisso. A doença e o envelhecimento são coisas que se ganham de presente, é para as pessoas que não morrem antes. O único de jeito do tempo não passar é você morrer antes.

No entanto, existe a diferença entre ficar velho e ficar estragado. Envelhecer significa que se você tem agora 20 ou 30 anos, daqui 20, 30 anos você será parte da estatística de velhos no país. Mas as pessoas não se preparam para isso, elas chegam ao consultório médico e dizem: “Ah, eu não me preparei para isso”. Mas você vivia onde? Só tinham crianças onde você vivia? Nunca viu algum idoso na sua frente para você olhar e pensar: “Nossa, este sou eu amanhã. Como eu me preparo para chegar aí?”. Então é uma falta de consciência, na minha opinião, porque a gente tem avó, pai idoso, pai idoso do nosso amigo e você acha que com você não vai acontecer? Se tudo der certo, vai acontecer.

Nesse sentido, se você não cuida do corpo – desse lugar que você habita, como irá viver anos e anos nele? Sem manutenção, sem exercitar o movimento, sem prover uma qualidade de nutrição, que faça com que ele se renove com qualidade? Você não terá tempo de viver a maravilha do envelhecimento, se não pensar no que precisa ser cuidado com antecedência. Quando dizemos que você deve se preparar, isso significa se preparar também para ter demência. Como se prepara para ter demência? Você medita, tem uma vida muito boa, rica de boas relações afetivas com pessoas que sabem como você pensa e o que possui valor para você.

Assim, no dia em que você não puder mais falar, haverá alguém que poderá cuidar de você e defendê-lo dentro da sua perspectiva de valor. Essa integridade emocional, existencial, as relações de cuidado com seu corpo, permitirão que, no momento em que estiver com demência, você habite esse lugar com a chance de poder apreciar o céu à noite e não estar sofrendo com frio. Você poderá contemplar o céu mais lindo do planeta. No seu envelhecimento, você está muito mais próximo dessa beleza do céu, que eu diria ser a beleza da dimensão espiritual, se você amadureceu para esse processo.

No seu livro “Cuidando de quem cuida”, você trata a respeito do autocuidado e como isso é fundamental na nossa vida.

Acabo falando muito sobre o autocuidado para os profissionais de saúde, principalmente para os estudantes de Medicina. Sabemos que existe uma incidência de 68%, quase 70%, de distúrbio de ansiedade grave entre os profissionais. Temos, mais ou menos, 30% a 40% de depressão com necessidade de medicação e uma ideação suicida de 11%. Se você é estudante de medicina, sua vida está em risco e a primeira vida que você precisa salvar é a sua. Diria a qualquer ativista: se você está tentando salvar a vida das mulheres na África, tentando salvar a vida de pessoas que fazem parte de minorias, salvar a vida das grandes catástrofes, a primeira vida que você precisa se responsabilizar em salvar é a sua, porque a sua vida é o instrumento pelo qual você oferece ajuda aos outros.

Essa é a consciência do autocuidado. Não é uma coisa egoísta – primeiro eu, depois você, mas olhando sua própria vida como instrumento de ajuda, de cuidado das pessoas que você considera de valor na sua existência, você acaba cuidando de si e também do seu corpo. Estamos num momento muito delicado do mundo, e por isso é necessária essa percepção mais consciente do autocuidado, de que precisamos sobreviver a este momento. Está para além do macro – precisamos trabalhar nos pequenos espaços, porque neles conseguimos transformações muito mais poderosas e sustentáveis do que nos grandes espaços.

Estamos diante dessa verdade de que muitas coisas boas feitas de forma grandiosas estão sendo destruídas. Torna-se necessário, então, trabalhar no coração de cada pessoa que tem acesso à nossa presença, porque se mudamos um coração, que muda outro coração, que muda outro e muda outro… conseguimos formar uma rede que não importa o que esteja acontecendo fora, não importa a destruição, se existem ruínas do lado de fora, por dentro está todo mundo muito bem estruturado. É necessário aprender a lidar com esta etapa da humanidade pela qual estamos passando.

O que são Cuidados Paliativos?

Cuidados Paliativos é uma abordagem cujo objetivo é cuidar de todas as dimensões de um ser humano que sofre por ter uma doença ameaçando a continuidade da sua vida. Um paciente terminal terá o sofrimento físico decorrente da evolução da doença, as consequências físicas causadas pelos tratamentos e também a ampliação dos cuidados. Os Cuidados Paliativos não são a arte da retirada ou a suspensão de tratamentos, mas sim a arte de ampliar os tratamentos para além da dimensão física. Isso inclui a dimensão emocional, familiar, social e espiritual do sofrimento de uma pessoa que tem a sua vida ameaçada por um diagnóstico.

Trabalho nesta área há mais de 20 anos e, de alguma forma, no Brasil, nos últimos cinco anos, posso dizer que houve uma espécie de despertar para isso. Muitos profissionais de saúde começaram a buscar formação em relação a esse cuidado, porque cuidados paliativos exige um comprometimento técnico que vai além da visão de ser uma boa pessoa ajudando as outras a morrerem. Nesse processo de adoecimento, o sofrimento experimentado no nosso país é muito grande, porque não há profissionais de saúdes – médicos, enfermeiros, psicólogos, formados para ajudar as pessoas a terem esse sofrimento aliviado.

Como foi sua chegada no 108 Horas de Paz?

Já acompanhava o Lama Padma Samten há muitos anos pelo Youtube. Nunca tinha tido coragem, força, oportunidade de abrir espaço para um retiro na minha vida, mesmo porque no mundo onde vivo, esse espaço não é muito respeitado. Médico bom é médico que está 24 horas disponível, sete dias por semana. Eu tinha muita necessidade de me colocar disponível. Então me afastar durante um tempo, para fazer um retiro, me parecia uma grande ousadia, pelo menos naquele momento da minha vida. De repente, entre as newsletters do CEBB, recebi um convite para oferecer uma palestra no 108 Horas de Paz. Existia a possibilidade de apenas oferecer a palestra ou fazer o retiro. Bom, pensei: “essa é  uma das coisas que eu mais quero fazer: um retiro”.

Para mim, o convite foi uma fonte de muita nutrição, pois tinha uma sede, uma fome que não saciava em lugar algum. Fomos eu e meu marido e, no final, a certeza que eu tinha é de que eu voltaria – não daria para fazer outra escolha que não fosse essa para o Ano Novo. É muito especial parar no final do ano, contemplar as experiências vividas e olhar na direção daquilo que virá. Fazer isso não com a expectativa de esquecer o que foi dor, mas olhando para isso como adubo em prol do que virá. Sempre fiz isso, na verdade. Era uma prática minha que era meio esquisita, porque todo mundo fala assim: “não vejo a hora que acabe porque foi horrível” e “ah, não vejo a hora que comece, porque eu tenho mil planos e mil sonhos”.

Essas 108 horas de Paz me trouxeram muita coragem, uma coragem nutrida por uma amorosidade. Venha o que vier, é parte da minha jornada, é parte da história que eu preciso seguir. Depois do retiro você vai para o mundo… E o mundo não passou pelas 108 horas de paz, o mundo está na intensidade de mundo, de samsara, né? Não que o retiro não faça parte também, mas é um momento em que você para e se conecta e adquire coragem e amor para viver o que há para viver. Então, nos momentos solitários do ano você não se perde, nem se abandona, nem abandona o outro. Vamos seguindo juntos, essa é a história que vamos trilhar.

Qual a sua aspiração?

A minha aspiração é que os cuidados paliativos possam chegar na casa de todo mundo, que pelo menos você possa dizer “não, não quero”, que a frase “eu não sabia que isso existia” possa ser cada vez mais rara na fala de cada família, porque todas as famílias vivem a experiência da morte. Você tem uma avó, um avô, um irmão, um filho, as crianças não deveriam morrer, mas elas morrem… Dentro de cada família terá um espaço para morte chegar e a minha aspiração é de que não haja chance de alguém dizer “eu não sabia que isso existia, que cuidados paliativos existiam”. Que seja melhor dizer “não, eu não quero cuidados paliativos, não estou preparado para isso, queremos um outro caminho”. Dizer “eu não sabia” é muito dolorido para quem fica depois, porque se percebe ter sido vivido um sofrimento muito desnecessário, que poderia ter sido amparado. Então a minha aspiração é essa.

Agradecemos a equipe do Coemergência –  podcast que explora temas importantes da nossa sociedade e da vida cotidiana, sempre à luz da relação entre os nossos mundos interno e externo.

Para ouvir a entrevista clique aqui →

A médica Ana Cláudia Arantes concedeu uma entrevista durante um retiro no 108 Horas de Paz deste ano. Em 2017-2018, ela integrou uma mesa-redonda no evento, cujo tema era “Saúde Individual e Coletiva”. Participaram o Lama Padma Samten e Benilton Bezerra.

Cobertura especial do 108 horas de 2019 aqui→ 

Fonte: Revista Bodisatva

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui