Conversas sobre a morte – em Salvador

Embora quase tudo  que faz a gente perder o sono gira em torno de problemas concretos, nas fronteiras da vida, cuidando de pessoas que estão corajosamente enfrentando a realidade de seu fim de vida, vejo muita sabedoria e coragem. Embora a nossa sociedade ainda não tenha maturidade para falar sobre a morte, ainda não soube de ninguém imortal e portanto, todos nós vamos morrer um dia. mas e se não for um dia distante? E se quem a gente mais ama acabar morrendo antes de nós? E se a gente pensar que precisa preparar o mundo para a nossa ausência, como fica a vida?

No final, o que conta é o que não se conta. Recomendaria aos mais atentos que não deixem essas prioridades para o último ano, o ultimo mês ou a última hora. Sempre acreditamos que pode dar tempo lá na frente, mas se der tempo de ler essas linhas, já faz acontecer essas maravilhas verdadeiras da vida hoje mesmo. Quer conversar mais sobre isso tudo que invade a gente quando pensamos na morte?

Então vem aqui:

Já estamos no terceiro ano dessa aventura chamada “Conversas sobre a Morte” e tudo leva a crer que não podemos parar tão cedo de falar sobre ela. O mundo precisa de mais gente consciente e comprometida em dar sentido a própria vida e com isso promover mais vida com sentido ao seu redor. Nossa cultura é frágil demais em consciência da finitude humana. Falta maturidade, integridade, realidade. As pessoas pensam que falar sobre a morte é coisa mórbida, mas quando a gente leva a serio essa conversa o que mais acontece é a vida. Pois quanto mais consciente da morte, mais o ser humano se torna humano mesmo. E só sendo humano de verdade dá para escolher como passar seu tempo por aqui: viver até que a morte chegue ou ir morrendo enquanto acha que está vivo.

Todas as experiências de vidas que cuidei até o fim foram fantásticas. Todas as conversas sobre a vida durante esse tempo de finitude também foram fantásticas. E o mais legal é que as conversas sobre a morte, mesmo que vida esteja a todo vapor, sem nenhuma noticia de morte próxima, podem fazer com que a vida fique muito boa de viver, sabia?

Conversas bem boas assim:

  • Como ajudar alguém que está morrendo e apoiar as pessoas ao redor
  • Morte, religião e espiritualidade
  • Os cinco maiores arrependimentos antes de morrer
  • Como a consciência da morte pode transformar nossa vida
  • Impermanência, perdas e pequenas mortes
  • Você tem tempo para perder?
  • Como se preparar para viver o dia de nossa morte
  • Luto: como seguir a vida após a morte de uma pessoa querida

Próximo curso: Salvador, dia 17/05. Clique aqui e saiba mais

17 COMMENTS

  1. Boa tarde!
    Dra. Ana Claudia, o link para inscrição do curso não está disponível. :( Há outro meio de realizar a inscrição?

    Att,
    Raquel.

  2. Gosto muito das suas palestras me ajudaram muito na minha fase difícil do luto . Fazem 2anos que perdi meu irmão câncer avassalador .52anos ,depois meu sogro 82 anos insufiencia renal,e cardíaca .Quando eu e meu querido esposo cuidávamos da minha mãe adoeceu insufiencia cardíaca diabete a trinta anos ,morre meu esposo atropelado na faixa de pedestre farol pra ele atravessar .fiquei desesperada sofrimento 4meses do minha mãe falece .nao aguenta não aceita a morte do genro .o que ajudou uma equipe médica e Dr Ana suas palestras me ajudaram muito a não ter depressao.ai decide conhece lá e fui até o hospital comprar seus livros fiquei emocionada ao vê-la .por isso Dr Claudia muito obrigada por tudo que vc faz por nós .atraves das suas palestras vc salva vidas também .bjs e que Deus te proteja sempre bjs Erica Salla .

    • Oi Leila! Em São Paulo, 15/05 – lançamento do livro de poesia na The School of Life – Palestra aberta sobre Poematerapia
      19:00hs na Rua Medeiros de Albuquerque, 60 Vila Madalena
      27/05 – Conversas sobre as Perdas – curso -https://www.sympla.com.br/workshop—conversas-sobre-perdas—com-dra-ana-claudia-quintana-arantes__116570

  3. Ana, minha flor…
    Você virá para Recife – PE em Junho?
    Sou enfermeira e professora da UFCG na Paraíba. Construí uma disciplina de Cuidados Paliativos para os alunos da graduação em Enfermagem. Suas palestras me ajudaram a conduzir minhas aulas…
    Linda! Serena! Sensível!
    Beijinho
    Glenda

  4. Olá dr Ana. Eu me chamo Ana Paula sou enfermeira e trabalho no Instituto Nacional de Câncer Inca RJ. Gostaria de saber se existe alguma possibilidade ou convite para vc vir ao RJ?
    Um bj
    Ana paula

  5. Boa tarde, doutora. É sempre um prazer para mim, poder ouvir uma palestra sua. Quero poder participar, não só de uma e sim de várias. Se puder, me deixar à par. Agradeço desde já. Abraços. Vanderleia Rieger Duarte

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here